• Recomendações sobre a Vacina contra o HPV

    Sumário de Recomendações

    • É crucial que obstetras-ginecologistas e outros profissionais de saúde eduquem pais, parentes e pacientes quanto aos benefícios e segurança da vacinação contra HPV. O HPV está relacionado com condilomas (crista-de-galo ou verrugas) genitais e o que é pior, a vários tipos de cânceres: colo uterino, vaginal, vulvar, anal, peniano, de oro-faringe. Também pode passar da mãe para o bebê durante o parto e causar verrugas na oro-faringe do recém nascido.
    • O Centro de controle e Prevenção de doenças (CDC) e o Colégio Americano de Ginecologia recomendam a vacinação de rotina em meninas e meninos.
    • O alvo para vacinação: meninas e meninos entre 11-12 anos. (Quando se desenvolve maior proteção e atinge adolescentes que ainda não iniciaram atividade sexual). Mas se a vacina não for feita nesta idade, ainda é recomendado fazer até os 26 anos.
    • A vacinação é recomendada mesmo para quem já teve relação sexual e contato com HPV. Embora, possa ser menos efetiva em indivíduos sexualmente ativos, parece haver algum benefício, pois a exposição sexual a todos os genotipos que estão presentes na vacina é improvável. As vacinas diponíveis no Brasil: Cervarix (ativa contra os genotipos 16 e 18) e Gardasil (6,11, 16, 18). Nos EUA, já existe a vacina 9-valente, Gardasil-9 (contra os genotipos 6,11,16,18, 31, 33, 45, 52, 58).
    • Teste de DNA para HPV (genotipagem, captura híbrida) não é recomendado antes da vacinação, pois ainda se o teste for positive, a vacinação ainda é recomendada.
    • Mais de 60 milhões de doses da vacina contra HPV já foi realizada no mundo e não se notou efeito adverso grave relacionado a vacina. Pessoas que já tenham tido alergia grave relacionada a qualquer componente da vacina, ou à própria vacina, não devem fazê-la.
    • Contra-indicada em gestantes.
    • Não é contra-indicada em pacientes imunodeprimidos, como os portadores de HIV, mas a resposta imunológica pode ser diminuída.
    • De acordo com o CDC, se a cobertura da vacinação aumentar para 80%, é estimado que 53 mil casos de cancer cervical possa ser prevenido durante a vida destes jovens abaixo de 12 anos. Além disto, por cada ano que esta cobertura não aumenta, um adicional de 4.400 mulheres irão desenvolver cancer de colo uterino.

    Texto Dra Fernanda Pacheco, CRM/RS: 27276

    • Fonte: http://www.acog.org/Resources_And_Publications/Committee_Opinions/Committee_on_Adolescent_Health_Care/Human_Papillomavirus_Vaccination
?>