Sushi e frutos do mar na gestação

Devido às perguntas frequentes das minhas pacientes quanto ao tema, a enchurrada de informação na internet e a recomendação contraditória de colegas, resolvi dar uma revisada na literatura científica. Constatei que existem poucos artigos sobre o tema.

No entanto, artigos científicos revelam que mais de 30 diferentes parasitas, principalmente lombrigas, tênias, virus e Salmonella podem ser adquiridos de peixes e/ou frutos do mar e que estes alimentos são responsáveis por mais de 18 milhões de infecções humanas no mundo.

O FDA, órgão regulador de alimentos e drogas dos EUA indicam que o peixe para ser comido cru deve ser: 1) congelado e armazenado a -20°C ou menos por um período mínimo de 168 h (7 dias) em um freezer, ou 2) congelado a -35°C ou menos até estado sólido e armazenado a – 35°C ou menos por no mínimo 15 h; ou 3) congelado a -35°C ou menos até estado sólido ou menos e congelado a -20°C ou menos por no mínimo 24 h.

No entanto, alguns freezers domiciliares podem não ser suficientemente frios. Aproximadamente 60% dos freezers domiciliares americanos atingem -17.2°C (1°F) ou mais. A prática de segurança adequada no prepaparo do sushi por restaurantes inclui adequado congelamento de todo o peixe que será servido cru. No entanto, alguns conhecedores dizem que isto pode degradar o sabor. A inspeção da carne do peixe, às vezes com luz posterior, pode identificar parasitas. No entanto, em alguns casos, as larvas são muito pequenas para serem visíveis a olho nu, especialmente quando o corte é espesso e a carne escura. Pesquisadores demostraram que a larva da Anisakis spp., presente em quase totalidade dos salmões selvagens morreram apenas após 5-6 semanas de marinada em 8-9% de sal e após 7 semanas em 4,3% de sal, indicando que a típica concentração de sal de 3-3,5% não seria suficiente para matar o parasita.

O problema de uma parasitose causada por peixe cru durante a gestação é que os medicamentos utilizados para tratar estas infecções intestinais podem ser agressivos ao feto. Os medicamentos usados para tratar infecções transmitidas por frutos do mar (que em geral são auto-limitadas e acometem apenas o trato intestinal, podendo causar deficiências nutricionais) não causam malefícios ao feto. Controle de líquidos e eletrólitos também faz parte do tratamento.

Em um dos artigos que li, os autores afirmam que sushis e sashimis podem ser consumidos moderadamente por gestantes desde que obtidos de um restaurante com boa reputação, com preparo e armazenamento adequado e consumidos logo após a compra.

Além dos parasitas, as gestantes devem evitar peixes que contenham alta concentração de mercúrio (Atum e savelhas); os que contém baixa concentração (salmão, camarão, carangueijo) podem ser ingeridos mais regularmente.

Fonte:

1.J. L. Jones, B. Anderson, J. Schulkin, M. E. Parise and M. L. Eberhard. Sushi in Pregnancy, Parasitic Diseases – Obstetrician Survey.  Zoonoses Public Health. 58 (2011) 119–125.

2. Carolyn Tam, Aida Erebara, and Adrienne Einarson. Food-borne illnesses during pregnancy. Prevention and treatment. Can Fam Physician. 2010 Apr; 56(4): 341–343.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

?>