Preservação da fertilidade

1. Mulheres Solteiras
As pacientes solteiras têm a opção de congelar seus óvulos após estimulação ovariana por aproximadamente 11 dias e punção do ovário com a coleta dos óvulos para posterior congelamento. Estes óvulos podem ficar em nitrogênio líquido por tempo indeterminado. Quando a mulher optar por usá-los, eles serão descongelados e fertilizados (com sêmen do parceiro ou banco de sêmen) em laboratório para posterior transferência embrionária. Também poderão ser descartados, se assim desejar a paciente.

2. Oncofertilidade
A Sociedade Americana de Oncologia Clínica recomenda que pacientes (homens e mulheres) diante de um diagnóstico de câncer e que serão submetidos a tratamentos com risco a fertilidade sejam encaminhados a um especialista na área de preservação de fertilidade.
Técnicas: congelamento de gametas (óvulos ou sêmen), embriões e/ou tecido gonadal (ovário/testículo).

3. Alterações genéticas
Ex: Síndrome de Turner; estão associadas a menopausa precoce. Mulheres com mutação dos genes BRCA 1 e 2, que devem remover os ovários cirurgicamente aos 40 anos com o intuito de evitar câncer de ovário e de mama, também são candidatas a preservação da fertilidade.
4. Doenças auto-imunes e reumatológicas
A infertilidade e a falência ovariana precoce (ou menopausa precoce) podem ser decorrentes diretamente dessas, ou de de seus tratamentos (ex. imunossupressores, ciclofosfamida).

 

5. Crianças e adolescentes
Também podem preservar sua fertilidade (preservação de gametas e/ou tecido gonadal), quando diante de situações que possam afetar sua futura fertilidade.

 

6. Técnicas
· Congelamento de Óvulos: Através de estimulação ovariana com medicamentos orais e/ou injetáveis, cuidadosamente individualizado para cada caso, as pacientes são monitoradas por ecografia pélvica e exames laboratoriais por cerca de 11 dias, quando então serão preparadas para a maturação final dos óvulos e coleta dos mesmos através de punção ovariana sob leve sedação.

· Congelamento de Sêmen: Através de ejaculação o homem obtém o semen que será analizado e congelado.

· Congelamento de Embriões: A técnica é semelhante ao do congelamento de óvulos; porém, os óvulos coletados serão fertilizados com espermatozóides antes do congelamento.

· Congelamento de Tecido Ovariano: Técnica experimental, mas com mais de 40 bebês nascidos pelo mundo. Única alternativa no caso de meninas que ainda não tiveram a primeira menstruação, em caso de pacientes que já iniciaram quimioterapia. Apresenta algumas vantagens sobre o congelamento de oócitos, como a possibilidade de gestação espontânea, sem FIV.

· Congelamento de Tecido Testicular: Única alternativa em meninos pré-púberes que necessitam preservar a fertilidade, embora ainda seja experimental. Bons resultados em animais, mas ainda com limitação técnica em humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

?>