Dra. Fernanda Pacheco participa de pesquisa que devolve às mulheres na menopausa a capacidade de gestar

AJOG-2015.001

Co-autora de artigo sobre transplante de ovário publicado em uma das principais revistas americanas de Ginecologia e Obstetrícia. É com grande satisfação que compartilho trabalho em que fui co-autora juntamente com o grupo do Dr. Kutluk Oktay MD, PhD com quem trabalhei por mais de 1 ano na NYMC, EUA.

O trabalho é um artigo original sobre duas pacientes de 23 anos que tiveram menopausa precoce após altas doses de quimioterapia. As pacientes tiveram um de seus ovários congelado antes do tratamento quimioterápico e retransplantado junto ao ovário remanescente 7 e 11 anos após, respectivamente (quando consideradas curadas da doença de base).

O transplante de ovário foi realizado de maneira inovadora: por cirurgia robótica e uso de Alloderm como matriz para o tecido transplantado, o que pode melhorar revascularização, performance e durabilidade do enxerto. Ambas não só voltaram a menstruar como engravidaram após ciclos de fertilização in vitro. Uma delas deu a luz a uma menina saudável em 29.06.15 e a outra está na metade da gestação.

Há no mundo, mais de 60 bebês nascidos após o transplante ovariano e nossos casos são pioneiros nos EUA.

Este trabalho sairá na edição de Janeiro da AJOG, uma das principais revistas de Ginecologia e Obstetrícia do mundo.

Participei na cirurgia do transplante ovariano, acompanhei ciclos de fertilização, coletei dados, imagens e realizei extensa revisão bibliográfica.
Enfim, a recompensa!!!

Leia na íntegra em

http://www.ajog.org/article/S0002-9378(15)01264-8/abstract

 

4 comentários em “Dra. Fernanda Pacheco participa de pesquisa que devolve às mulheres na menopausa a capacidade de gestar”

  • Luciana Botelho

    Responder

    Tenho 51 anos. tenho desejo de fazer transplante de ovário parA reestabeler meus níveis hormonais e melhorar qualidade vida

    • Classiclínica

      Responder

      Olá, ainda não é possível. Meu trabalho é sobre mulheres que congelaram seu próprio tecido ovariano antes de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia que iria impactar na fertilidade. Após recuperação da doença, tiveram o seu tecido ovariano retransplantado, restabelecendo níveis hormonais e fertilidade.

  • diego romero

    Responder

    oi gente gostaria de dar os parabéns pelo site de vocês e dizer gosto muito do coneúdo sobre medicina
    sou pediatra e adoro saber sobre patologias diferentes.
    abraços diego

  • felipe

    Responder

    Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigado 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

?>