• Avaliação da Fertilidade

    COMO FUNCIONA A AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE CLASSICLÍNICA?

    A Avaliação da Fertilidade Classiclínica visa minimizar os riscos e acontecimentos que podem pôr em risco a fertilidade de um casal.

    Através de exames e consultas periódicas, a Classiclínica ajuda o casal a planejar uma gravidez saudável e tranquila, preservando a fertilidade e a integridade do processo. O processo é bem simples:

    Público-alvo da Avaliação da Fertilidade:

    O público-alvo da Avaliação da Fertilidade são casais que desejam garantir uma gestação segura e livre de complicações. Ao escolher a Classiclínica, você tem a garantia de comprometimento, qualidade e experiência em reprodução humana.

    Início do Processo da Avaliação da Fertilidade:

    Sua primeira consulta na Classiclínica será uma análise de saúde reprodutiva, e, a partir disso, a doutora lhe encaminhará para determinados exames.

    Exames da Avaliação da Fertilidade:

    Após solicitados os exames, você deverá realizá-los a fim de que sirvam de base para a detecção da sua reserva de folículos e óvulos, bem como outro possível problema reprodutivo ou de saúde geral, que poderá afetar sua fertilidade.

    Re-consulta de Avaliação da Fertilidade:

    Com os resultados dos exames, você será encaminhado para uma re-consulta com um especialista, que analisará os resultados e dará continuidade ao processo de avaliação.

    Ao passar por essas 4 etapas, você estará pronto para desenvolver uma gestação segura e tranquila, e logo, sua vida mudará por completo. A Classiclínica está de portas abertas te esperando, clique aqui e agende já a sua consulta!

  • 12 coisas que você precisa saber sobre o Implanon®

    12 coisas que você precisa saber sobre o ImplanonⓇ

    1 – O que é o ImplanonⓇ?

    O ImplanonⓇ é um método contraceptivo. Consiste em um bastão de 4 cm que se aplica no subcutâneo da parte interna do braço, perto do cotovelo.

    2 – Como funciona o ImplanonⓇ?

    O dispositivo do ImplanonⓇ libera um hormônio progestagênio, o etonorgestrel que impede a ovulação.

    3 – Vantagens do ImplanonⓇ?

    -Comodidade;
    -Método contraceptivo mais seguro do mundo, mais do que laqueadura tubarea;
    -Melhora cólicas menstruis;
    -Melhora os sintomas de TPM.

    4 – O ImplanonⓇ engorda?

    O uso do ImplanonⓇ não apresentou diferença no ganho de peso quando comparado ao uso do DIU de Cobre.
    Além disto, assim como o MirenaⓇ, não diminui testosterona e; portanto, não interfere na massa muscular. O problema é que as mulheres, com a idade engordam em média 500 g/ano, mesmo que mantenham a mesma dieta e frequência de atividade física.

    5 – Adolescentes podem usar o ImplanonⓇ?

    Sim. Inclusive, atualmente, os métodos contraceptivos reversíveis de longa duração, como o ImplanonⓇ, MirenaⓇ e os DIUs de cobre, são considerados a primeira escolha nesta faixa etária devido a redução significativa de gestações indesejáveis e o baixo índice de complicações (Estudo CHOICE, 2012).

    6 – Mulheres amamentando podem usar o ImplanonⓇ?

    Sim. O ImplanonⓇ não interfere com a amamentação. Além disto, estas mulheres costumam tolerar muito bem o método.

    7 – O ImplanonⓇ é mais seguro que a pílula anticoncepcional?

    Sim, o ImplanonⓇ é o método mais seguro do mundo. O índice de falha é de 0,025% ao ano, enquanto o da pílula é de até 8% ao ano.

    8 – Quais as contraindicações para o uso do ImplanonⓇ?

    Gestação e câncer de mama.

    9 – Quais os principais efeitos adversos do ImplanonⓇ?

    -Acne em 10% das usuárias de ImplanonⓇ, mas de fácil tratamento;
    -Sangramento menstrual frequente e irregular, principalmente nos primeiros 6 meses de uso do ImplanonⓇ (tratáveis). Depois, 22% das mulheres não menstruarão e 76% terão sangramento favorável;
    -Cefaléia e mastalgia (nas 6 primeiras semanas/transitórios);
    -Cistos ovarianos transitórios e benignos (achados casuais em ecografias, em geral, não causam dor);

    10 – Dói para inserir o ImplanonⓇ?

    Tanto a inserção como a remoção são feitas em consultório e requerem apenas anestesia local.

    11 – Quanto tempo dura o ImplanonⓇ?

    3 anos

    12 – Custos do ImplanonⓇ?

    Varia bastante, entre 1.500 a 4.000 Reais. Os estudos de fármaco-economia demonstraram que o ImplanonⓇ tem custo menor que as pílulas anticoncepcionais. Os convênios não costumam disponibilizar o ImplanonⓇ.

  • 14 coisas que você deve saber sobre o Mirena®

    14 coisas que você deve saber sobre o Mirena®

    1 – O que é o MirenaⓇ?

    O MirenaⓇ é um pequeno DIU que libera um hormônio progestagênico chamado levonorgestrel dentro da cavidade uterina. Pequena quantidade de levonorgestrel é absorvida na corrente sanguínea, 20 μg diariamente no primeiro ano e 10 μg/dia após.

    2 – Como funciona o MirenaⓇ?

    O MirenaⓇ engrossa o muco cervical impedindo a passagem de espermatozoides; inibe que os espermatozoides alcancem o óvulo e afina o endométrio.

    3 – Quais as vantagens do MirenaⓇ?

    -Um dos métodos contraceptivos mais seguros do mundo. Índice de falha de apenas 0,2% ao ano;

    -Comodidade;

    -Reduz sangramento menstrual e pode até ocasionar completa ausência de menstruação, mais comum após 1 ano de uso;

    -Também indicado para o crescimento excessivo da linha endometrial durante terapia hormonal.

    4 – Como será minha menstruação com o uso do MirenaⓇ?

    A maioria das usuárias de MirenaⓇ ou não menstruam, ou tem leve sangramento em borra de café 1 x/mês.

    5 – O MirenaⓇ engorda?

    Não. A quantidade de hormônio liberada por dia na corrente sanguínea é mínima. Além disto, não interfere nos níveis de testosterona.

    6 – Adolescentes podem usar o MirenaⓇ?

    Sim. Inclusive, atualmente, os métodos contraceptivos reversíveis de longa duração, como o MirenaÆ, os DIUs de cobre e o ImplanonÆ são considerados a primeira escolha nesta faixa etária devido a redução significativa de gestações indesejáveis e o baixo índice de complicações (Estudo CHOICE, 2012).

    7 – Mulheres que nunca engravidaram podem inserir o MirenaⓇ?

    Sim. O risco de doença inflamatória da pelve, que poderia ocasionar infertilidade, em usuárias de MirenaⓇ é de menos de 1%.

    8 – Mulheres amamentando podem usar o MirenaⓇ?

    Sim. O MirenaⓇ pode ser inserido após 6 semanas do parto. O MirenaⓇ não corta a produção de leite, mas mulheres que amamentam podem ter um risco maior tanto na inserção uterina do MirenaⓇ como de expulsão do MirenaⓇ.

    9 – O MirenaⓇ é mais seguro que a pílula anticoncepcional?

    Sim. Enquanto a falha contraceptiva da pílula anticoncepcional é de até 8% ao ano, no uso típico, a do MirenaⓇ é de apenas 0,2% ao ano.

    10 – Quais as contraindicações para o uso do MirenaⓇ?

    Miomas que distorcem a cavidade uterina, gestação, alguns tipos de câncer, sangramento uterino anormal sem diagnóstico, infecção pélvica, infecções recorrentes.

    11 – Quais os principais efeitos adversos do MirenaⓇ?

    -Sintomas decorrentes de má inserção do MirenaⓇ, expulsão do MirenaⓇ;

    -Dor de cabeça;

    -Acne, mas tem tratamento;

    -Cistos ovarianos que geralmente desaparecem sozinhos;

    -Corrimento genital;

    -Sangramento uterino e escapes podem ocorrer nos primeiros 3-6 meses e permanecerem irregulares. No entanto, com o tempo, os fluxos menstruais tendem a ser mais leves e espaçados, ou até mesmo, desaparecerem.

    12 – Dói para inserir o MirenaⓇ?

    Sim, a inserção do MirenaⓇ ocasiona cólicas, mas estas duram de 20-30 segundos. Em geral, a inserção no consultório médico é bem tolerada, mas há a possibilidade de ser inserido com sedação no hospital.

    13 – Quanto tempo dura o MirenaⓇ?

    5 anos, mas alguns estudos recentes apontam que o MirenaⓇ parece ter efeito por até 7 anos.

    14 – Custos do MirenaⓇ?

    Varia bastante, mas aproximadamente, de 1.500 a 4 mil Reais com o aparelho. Alguns convênios autorizam a inserção.

  • 10 coisas que você deve saber sobre Congelamento de Óvulos

    10 coisas que você deve saber sobre congelamento de óvulos

    1 – Quem é candidata ao congelamento de óvulos?

    -Mulheres de até 36-38 anos que desejam adiar a fertilidade;

    -Mulheres que serão submetidas a tratamento de câncer ou outra doença, cujo tratamento mate seus óvulos.

    2 – Com que idade devo procurar o congelamento de óvulos?

    Quanto mais cedo melhor, porque com a idade, a mulher perde quantidade e qualidade dos seus óvulos. No caso de uma mulher saudável que queira apenas adiar a maternidade, o ideal é congelar ao redor dos 35 anos, pois muito cedo, talvez acabe não utilizando os óvulos congelados e mais tarde, talvez não tenha uma quantidade ideal para o congelamento. No caso de doença, a paciente deverá buscar o congelamento de óvulos antes do tratamento da doença.

    3 – O que preciso fazer para o congelamento dos óvulos?

    Procurar especialista na área de preservação de fertilidade que irá avaliar, através de exames laboratoriais e ecografia transvaginal, sua condição de saúde e potencial de desenvolvimento de folículos (os óvulos estão dentro dos folículos). Além disto, exames de DSTs como HIV, hepatites, sífilis e até Zika vírus são mandatórios antes do congelamento de óvulos.

    4 – Como é o tratamento para congelamento de óvulos?

    Após os exames feitos, você iniciará o ciclo de indução ovariana no segundo ou terceiro dia de menstruação com medicamentos injetáveis subcutâneos por aproximadamente 11 dias para promover o crescimento de vários folículos nos seus ovários. Quando estes atingirem em torno de 18 mm, outro medicamento subcutâneo é prescrito para promover o amadurecimento dos óvulos que serão coletados em 36 h.

    5 – O tratamento para congelamento de óvulos dói?

    Em geral, o tratamento é bem tolerado. As injeções administradas são subcutâneas, ou seja, as agulhas são finas e curtas, então, no máximo sentirá uma leve ardência na hora da picada e na entrada do líquido. Como os seus ovários vão dobrar-triplicar de tamanho devido ao crescimento de folículos, você poderá sentir um desconforto abdominal, ou sensação de peso. A coleta dos óvulos é feita com sedação realizada por anestesista em uma sala especial toda equipada para a sua segurança; portanto, você dormirá e não sentirá nada. Após a coleta, é usual sentir cólicas leves.

    6 – Como é feita a coleta para o congelamento dos óvulos?

    A coleta para congelamento dos óvulos é feita através de ecografia transvaginal com uma agulha na ponta que entra dentro dos folículos e aspira o líquido folicular, onde estarão os óvulos. Estes serão examinados algumas horas depois a fim de determinar quais estão maduros e prontos para o congelamento.

    7 – Quantidade ideal de óvulos a serem congelados?

    O ideal, quando se faz o congelamento de óvulos aos 35 anos, é congelar 16-20 óvulos para se obter chances de aproximadamente 60% de gestação aos 40 anos. O problema é que nem todas as mulheres vão obter esta quantidade de óvulos para congelamento em um único ciclo de indução ovariana. Nestes casos, o ideal é fazer mais de um tratamento de congelamento de óvulos.

    8 – Custos do congelamento de óvulos? Os convênios ou SUS pagam?

    Os custos variam de 12 a 15 mil R$ e a manutenção do congelamento de óvulos é de aproximadamente 1400,00 R$ por ano. O congelamento de óvulos não é pago por convênios, tão pouco pelo SUS.

    9 – Por quanto tempo posso manter meus óvulos congelados?

    Os óvulos podem ser mantidos congelados por tempo indeterminado.

    10 – Posso descartar meus óvulos congelados caso não precise mais utilizar?

    Sim. Os óvulos, por serem células podem ser descartados a qualquer momento, diferente do congelamento de embriões.

  • Saúde da Mulher – Exames e práticas Preventivas

    HotSiteImage

    Prevenção de Câncer: Os 5 tipos mais comuns em mulheres, fora câncer de pele que não melanoma, segundo o Instituto nacional do Câncer* são câncer de mama, cólon e reto, pulmão, colo e corpo uterino

    Exame Citopatológico ou Papanicolau: anualmente para prevenção do câncer de colo uterino. Iniciar após os 21 anos, ou após a primeira relação sexual. Detecta lesões iniciais provocadas pelo HPV, doença sexualmente transmissível que pode levar ao câncer de colo uterino. Este tipo de neoplasia é a segunda mais comum, entre as mulheres. Colposcopia auxilia no diagnóstico precoce de lesões no colo uterino. É um complemento ao anterior.

    Mamografia e Ecografia Mamária: Ajuda na detecção precoce do câncer de mama. Realizada  basal aos 35 anos e depois, anualmente, após os 40 anos. Devem ser feitas antes dependendo da história familiar para a doença. A ecografia mamária é um complemento à Mamografia para casos de mamas densas, prótese mamária, diferenciação de nódulos vistos em Mamografia. Além disto, recomenda-se exame clínico anual da mama e auto-exame mensal.

    Colonoscopia e pesquisa de sangue oculto nas fezes: Deve ser realizada em mulheres acima de 50 anos, ou antes, dependendo da história familiar. Previne o câncer colorretal.

    Cuidar da pele para evitar câncer de pele. Uso de filtro solar, evitar horários críticos do sol.

    Todos os episódios de sangramento vaginal após a menopausa devem ser investigados.

    Evitar tabagismo.

    Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis e doenças Infecciosas: Abstinência sexual, redução do número de parceiros, uso de camisinha. Exames laboratoriais específicos dependendo de fatores de risco. Estar em dia com vacinas (HPV, Hepatite B, tétano, gripe, … consultar o calendário de vacinação adequado para você).

    Prevenção de Osteopenia, Osteoporose e Fraturas: Densitometria Óssea: Detecta a diminuição da densidade mineral óssea que pode levar a fraturas. É recomendada na menopausa ou antes se uso crônico de corticóide ou outro medicamento ou condição que interfira na massa óssea

    Prevenção de Doença Cardíaca Coronariana (Angina, Infarto), AVC (Derrame) e Vasculares: O risco aumenta com a idade e em pessoas com fatores de risco (Hipertensão, dislipidemia, diabetes, tabagismo e história familiar). Vale a pena um check-up cardiológico.

    *(http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/sintese-de-resultados-comentarios.asp). Estes dados diferem conforme a região do Brasil.

     

  • Preservação da fertilidade

    1. Mulheres Solteiras
    As pacientes solteiras têm a opção de congelar seus óvulos após estimulação ovariana por aproximadamente 11 dias e punção do ovário com a coleta dos óvulos para posterior congelamento. Estes óvulos podem ficar em nitrogênio líquido por tempo indeterminado. Quando a mulher optar por usá-los, eles serão descongelados e fertilizados (com sêmen do parceiro ou banco de sêmen) em laboratório para posterior transferência embrionária. Também poderão ser descartados, se assim desejar a paciente.

    Continue lendo Preservação da fertilidade

  • Planejando a gravidez

    Planejando a gravidez
    O casal deve procurar seu ginecologista/obstetra antes de interromper o método anticoncepcional com o objetivo de checar sua saúde, seus hábitos de vida, realizar exames. A mulher também será orientada a tomar ácido fólico e vitaminas de acordo com suas necessidades. Desta forma, os futuros pais garantem saúde para si e para o bebê.

    Continue lendo Planejando a gravidez

  • Dra. Fernanda Pacheco participa de pesquisa que devolve às mulheres na menopausa a capacidade de gestar

    AJOG-2015.001

    Co-autora de artigo sobre transplante de ovário publicado em uma das principais revistas americanas de Ginecologia e Obstetrícia. É com grande satisfação que compartilho trabalho em que fui co-autora juntamente com o grupo do Dr. Kutluk Oktay MD, PhD com quem trabalhei por mais de 1 ano na NYMC, EUA.

    O trabalho é um artigo original sobre duas pacientes de 23 anos que tiveram menopausa precoce após altas doses de quimioterapia. As pacientes tiveram um de seus ovários congelado antes do tratamento quimioterápico e retransplantado junto ao ovário remanescente 7 e 11 anos após, respectivamente (quando consideradas curadas da doença de base).

    Continue lendo Dra. Fernanda Pacheco participa de pesquisa que devolve às mulheres na menopausa a capacidade de gestar

  • Sushi e frutos do mar na gestação

    Devido às perguntas frequentes das minhas pacientes quanto ao tema, a enchurrada de informação na internet e a recomendação contraditória de colegas, resolvi dar uma revisada na literatura científica. Constatei que existem poucos artigos sobre o tema.

    No entanto, artigos científicos revelam que mais de 30 diferentes parasitas, principalmente lombrigas, tênias, virus e Salmonella podem ser adquiridos de peixes e/ou frutos do mar e que estes alimentos são responsáveis por mais de 18 milhões de infecções humanas no mundo.

    Continue lendo Sushi e frutos do mar na gestação

?>